NOTÍCIA

Biometria em condomínios

Biometria em condomínios

Já pensou em chegar em casa, encostar o dedo em um aparelho e... pronto! A porta se abre. Até pouco tempo atrás os sistemas de controle de acesso utilizavam somente senhas, crachás com códigos de barras, tarjas magnéticas ou cartões de proximidade para a identificação e registro das pessoas cadastradas, porém, todos esses mecanismos tecnológicos abrem brechas para mal uso e até mesmo falsificações no caso de perda dos objetos "chave", quebrando, assim, o intuito da biometria dessas soluções, que é a segurança. A identificação biométrica tem como principal vantagem a sua garantia de estabilidade, em outras palavras, como cada indivíduo possui características próprias e únicas, a confiabilidade do sistema de gerenciamento de acesso biométrico se faz bastante elevada, pois a pessoa se torna a "chave". No Brasil, estes sistemas foram introduzidos na década de 90, sendo que o método mais utilizado no  país é a leitura da digital. Em escritórios comerciais e academias, o crescimento do uso desses sistemas é muito grande, onde as empresas optam por esse tipo de aplicação, devido ao conforto e segurança. Desde então, as tecnologias envolvidas nesse método, evoluíram consideravelmente em questão de velocidade e precisão, fornecendo, assim, uma solução segura e econômica para o cenário em discussão.  Tendo em vista essas tecnologias, podemos traçar a relação óbvia entre a solução oferecida pela nossa empresa, para o gerenciamento de condomínios em um âmbito mais geral, e a facilidade e segurança do controle de acesso baseado na validação biométrica. Para exemplificar, podemos garantir que a fiscalização da mobilidade de moradores, visitantes, zeladores, funcionários domésticos e até mesmo prestadores de serviços frequentes seria, sem sombra de dúvidas, mais precisa e confiável que em outros casos, como mencionados acima. Imagine que, um visitante, ao ter sua digital cadastrada e nível de acesso determinado, estará vinculado a todas as catracas e entradas do condomínio e terá sempre suas entradas e saídas monitoradas com precisão. Por fim, vale a pena ressaltar que as identificações biométricas não se restringem apenas as digitais, é possível implementar, também, reconhecimentos por voz, íris, face, retina, palma da mão, entre outros. Sendo assim, podemos concluir que essas tecnologias devem se tornar cada vez mais presentes e eficientes na vida de moradores e funcionários de condomínios residenciais, tanto quanto comerciais.

 

Fonte: www.seucondominio.com.br